BLOG PAPO DE BUTECO: FIQUE POR DENTRO

Buteco bom é buteco com U!

Nossa ideia, desde que chegamos aos butecos, em 2000, é fomentar a questão da cozinha de raiz e da cultura de buteco! Todo mundo sabe que tradição surge, às vezes sem muita explicação, de tudo o que nos envolve. É coisa espontânea!

IMG_6336

Assim como o buteco com U! É assim que todo mundo chama os butecos, carinhosamente.  É assim que pronunciamos, e é a simples pronúncia dessa palavra que nos remete à autenticidade e simplicidade, características que enxergamos em todo bom buteco e que procuramos para fazer parte do time do Comida di Buteco!

Começamos em Minas Gerais, mas, ao longo dos anos, nossa cultura se disseminou para outras cidades e caímos no gosto da galera. É claro que isso aconteceria, tudo o que é bom fica. Buteco é lugar de descontração e comida boa, sempre foi sinônimo disso, o restante do Brasil passaria a adorar isso também!

IMG_6385

A questão é que esses butecos com U são exatamente o que procuramos. São os estabelecimentos autênticos, sem muitas regras criadas, mas regras que surgiram, que nasceram da ideia do proprietário que toca seu negócio diariamente e, além de tudo, que possuam uma história a ser contada!

Somos muito mais que um concurso que une butecos pelo Brasil, mas caçadores dessas historias que cada um deles tem para contar! Aliás, percebemos isso no público também: todos são atraídos pela tradição e pela cultura de algum buteco.

Nessa ultima edição foram mais de 4 milhões de pessoas que frequentaram os butecos e disseram o famoso “garçom, desce o petisco do Comida di Buteco” ou qualquer coisa semelhante a isso!

E você aí? Já aderiu ao termo, mesmo que sem perceber e já reparou a força que todo buteco com U tem?

Antes e Depois do Comida di Buteco: Lins Sushi, de São Paulo

Quantas vezes você passou a prestar mais atenção em algum buteco depois que ele começou a ser divulgado no Comida di Buteco? Isso é super normal e é um dos detalhes do concurso que nos deixa muito mais felizes: conhecemos diversos butecos, alguns entramos por curiosidade, outros vamos por recomendação, mas é fato que todos ganham muito mais notoriedade após o concurso. E isso é refletido em vários sentidos: na vida dos donos, dos funcionários, do local onde o estabelecimento se localiza, na estrutura do próprio buteco e, lógico, na vida de quem frequenta e ganha mais um buteco do coração!
Isso é transformação de vida e isso foi o que aconteceu com o Lins Sushi, buteco que, apesar de ter passado a funcionar apenas em 2009, já se tornou um clássico em SP pra quem é amante da comida japonesa, mas não dispensa um happy hour e de quebra consegue encontrar por lá também alguns achados brasileiros!
Conhecemos o Lins Sushi, assim, quando fez sua primeira participação no Comida di Buteco:
Lins Sushi_SP_2014_Antes

Logo o bom trabalho, o cardápio incrível, o ótimo atendimento e aquela carinha de buteco com toques orientais ganhou uma clientela fiel, que experimentou o Lins pela primeira vez, muitos pelo Comida di Buteco, e não largaram nunca mais. O ótimo trabalho, é lógico, se transformou na nova identidade do Lins:

Lins Sushi_SP_2015_depois

Essa é uma das historias que nos orgulhamos de contar e mostrar – queremos promover, em todo o Brasil, a transformação de vidas e a cozinha de raiz como cultura.
Vamos em frente, ainda temos muitas histórias em constante transformação!

 

Primeira parada da Volta ao Mundo em 80 Bares: Montevidéu!

Explorar butecos pelo Brasil é o que move o Comida di Buteco. Viver essa experiência pelo mundo nenhuma palavra pode descrever, mas a gente vai tentar. Lembram da Volta ao Mundo em 80 Bares que o nosso parceiro Juarez Becoza iniciou? Pois bem, temos novidades!
Ele já nos mandou o primeiro alô dessa viagem, diretamente de Montevideu, no Uruguai, onde foi sua parada inicial. Vocês sabem que, assim como nós, o Becoza é autoridade em buteco no Brasil e a ideia é que ele vire referência mundial. Por isso mesmo nos identificamos tanto com a causa e estamos acompanhando todos os passos dele pelo mundo!

Pra quem ainda não conhece Montevideu, tem uma coisa muito brasileira neles: o espirito boêmio. Sim, Montevideu é tipicamente boêmia pela quantidade de botequins que abriga, em sua maioria populares e baratos!

A bebida predominante por lá é a cerveja de garrafa – olha aí mais uma semelhança com a gente – e uma das características predominantes dos bares da cidade é o fato de serem grandes salões aconchegantes, tudo por causa do frio e da influência espanhola e italiana.
Foto 2
Claro que a curiosidade é em torno dos petiscos, certo? Becoza nos contou sobre o chivito, um sanduiche uruguaio feito com filé, queijo, frios e salada, mas parece que tem um outro tira-gosto um tanto quanto diferente por lá. Essa vamos deixar pro próprio Becoza contar. Olha o recado dele:

“Alô, galera do Comida di Buteco! Aqui é o Juarez Becoza, falando diretamente de Montevidéu, no Uruguai! Montevidéu é a primeira cidade que eu visito na minha “Volta ao Mundo em 80 Bares”, e eu já estou encontrando botequins muito interessantes por aqui. Um deles chama-se Bar las Flores. É esse aí da foto. Ele é um típico pé-sujo uruguaio de origem italiana. Serve pizzas imensas, deliciosas e baratas, assadas num forno à lenha que, nesses dias de frio rigoroso, também serve de aquecedor para os clientes do bar. A especialidade aqui é uma pizza de grão de bico muito gostosa, conhecida como fainá. Notívago que só, o Las Flores passa a noite servindo fainá e cerveja bem gelada para uma clientela de todas as idades. O que as une aqui é o amor pela boemia popular, pela boa conversa e pelo ambiente despojado. Então e isso aí: Las Flores, o bar que é a cara de Montevidéu, é a primeira dica que eu deixo aqui da minha volta ao mundo para você que, como eu, é fã do Comida di Buteco. Um abraço e até a próxima!”
Foto 1

Um brinde e um feliz dia a eles, os garçons!

Papo sério agora: quem é que te faz voltar ao buteco toda semana, fora o petisco e a cerveja gelada? É claro que é aquele cara que te recebe como se fosse em sua própria casa e que te conquista com um atendimento de amigo de longa data… o garçom!

Hoje é o dia dele e obviamente não poderíamos deixar de lado essa data, logo aqui, no Comida di Buteco, onde um dos pontos principais para intitular um buteco como campeão é o atendimento!

E já que eles sempre escutam a gente, já pararam pra pensar no que eles pensam e ouvir um pouco da satisfação que sentem em atender o público? Um dos garçons participantes do Comida di Buteco deu uma palavrinha pra gente:

Esse é o time do Angu do Gomes!

Garçom_AnguDoGomes _ Foto Marcos Pinto  (31) (2)

Garçom_AnguDoGomes _ Foto Marcos Pinto  (87) (2)

Mais um boteco participante do Comida di Buteco…

Garçom_Servindo

Aliás, pra quem não sabe, assim como mencionado no depoimento do garçom, priorizamos tanto esse pessoal, que entendemos que o garçom deve ser o primeiro a ser qualificado e valorizado, por isso, conseguimos uma parceria incrível com o Senac RJ onde mais de 80 garçons ganharam uma formação em técnicas de atendimento para bares e restaurantes, numa forma de se preparar para o Comida di Buteco desse ano e, acima de tudo, para transformar o buteco em que trabalha no mais querido da cidade!

Formatura_Senac_2

A esses garçons, a todos os que já passaram pelo Comida di Buteco e, é claro, para aqueles que estão espalhados pelo Brasil todo, que AINDA não conhecemos, mas quem sabe um dia, o nosso Feliz dia do Garçom! Feliz, assim como vocês nos fazem sentir dentro do buteco! O brinde de hoje é para vocês!

Truque para uma cerveja sempre gelada!

Bom, não é novidade pra ninguém que aqui a gente preza a cerveja servida na temperatura certa, ou seja, bem geladinha! Tanto que esse é um dos itens a serem votados enquanto o concurso acontece: a temperatura da bebida oferecida.

Buteco bom é buteco que serve a cerveja trincando e, como nós todos somos fãs de buteco e tentamos reproduzir em casa e na vida aquelas dicas que só um dono de buteco conhece, tanto para a cerveja, quanto para os petiscos, vamos mandar aquela dica sensacional pra ninguém mais tomar cerveja quente ou “mais ou menos gelada”, só trincando!

É claro que todo bom buteco já tem sua gelada garantida e é claro também que já tá todo mundo gelando a cerveja para a próxima sexta, mas como nos eventos a cerveja sempre acaba, ou aparece aquele engraçadinho com uma caixa quente, ou sempre vem mais gente que o esperado, a gente precisa dessa carta na manga.

Sendo assim, lápis, papel e muita atenção. Mentira, a dica é fácil!

O grande segredo que todo bom butequeiro deve conhecer é a mistura frigorífica, assim chamada pelos físicos e químicos – uma mistura de água, gelo, sal e álcool. Se feita de forma correta, faz a sua cerveja gelar muito rápido.

O passo a passo é o seguinte: primeiramente, coloque toda cerveja quente no isopor ou cooler, como preferir.

Feito isso, cubra-a com todo o gelo. Esteja atento a este detalhe: para cada saco de gelo utilizado, as medidas para os ingrediente são 2 litros de água, meio quilo de sal e 500ml de álcool.

caixa_termica_cerveja_capa_26-12-624x416

Depois de cobrir com o gelo, misture as medidas de água e sal. Jogue-as sobre o gelo!

Agora faça o mesmo com o álcool, jogue por cima do gelo também.

Aguarde poucos minutinhos e pronto, cerveja geladinha, pronta para beber. Aliás, antes de tomar não se esqueça de lavá-la para retirar o álcool e o sal!

A dica dá muito certo, foi testada e aprovada e, é claro , para tudo o que é correto existe uma explicação: a água aumenta a superfície de contato com a garrafa, coisa que o ar não faz tão bem. Já o sal faz com que o gelo demore um pouco mais para derreter, enquanto o álcool, por uma reação química, retira o calor das cervejas e promove essa troca de temperatura!

copos

O resultado é esse: cerveja no ponto certo, todo mundo feliz e você sairá como o super herói da vez!

Gostaram?

Testem e nos digam o que acharam da experiência, ela serve tanto para as garrafas quanto para as latinhas!

Dia do início da Semana da Cultura Nordestina

Desde que surgimos, levantamos a bandeira da cultura! Sim, a gastronomia é uma das mais incríveis manifestações culturais! A cozinha de raiz então, é a cultura gastronômica no seu íntimo, na sua mais pura tradição!

Aqui no Brasil essa cultura é gigantesca. Já falamos muito sobre a cozinha mineira, mas o Nordeste é uma região culturalmente rica em sentidos amplos, a gastronomia jamais ficaria de fora. Isso porque hoje, marcando a data da morte de um símbolo dessa cultura, Luiz Gonzaga, é comemorado o Dia do início da Semana da Cultura Nordestina.

A cultura  gastronômica nordestina jamais fica esquecida nas edições do Comida di Buteco, por isso mesmo não poderíamos deixar de lembrar desse dia! Até porque, voltando 2 meses atrás, nós estávamos saboreando várias delícias inspiradas na cozinha nordestina. E não foi só no nordeste não, essa influência é gritante em todo o Brasil, contagiado pelos ingredientes e temperos deliciosos da região! Se você ficar com água na boca, não se aperreie não!

Lembram, por exemplo, do buteco Nação Nordestina, em São Paulo, que criou o prato Dona Rosinha, uma tapioca de acerola com carne de panela, creme de queijos e geleia de pimenta!? Uma mistura daquelas!

Nac¦ºa¦âo-Nordestina

Já o baião de dois também marcou presença entre os petiscos, como foi o caso do Bar do Mendes e sua belíssima criação, o Medalhão de frango com bacon e baião de dois com laranja!

Bar-do-Mendes

Salvador representou muito bem! Ficaríamos horas por aqui falando da lista de petiscos que saiu por lá, mas isso vocês conseguem conferir clicando aqui. Por hora, trouxemos essa delícia aqui criada pelo boteco Koisa Nossa (Os Internacionais), o Sapequi Koisa Nossa, um sarapatel daqueles com moela de pequi!

Bar-Koisa-Nossa-Os-Internacionais

E segue a eterna e apetitosa lista aqui no site, com um punhado deles!

Lembram de algum que experimentaram na edição desse ano e que dariam de tudo para experimentar novamente e que tinha esse toque nordestino? Conta pra gente qual era o petisco e em que buteco encontrou!

Um viva à cultura nordestina que presenteou o resto do Brasil com sua genialidade na cozinha e um brinde aos demais botecos, em qualquer lugar do Brasil, que honraram essas receitas!

Os nomes mais excêntricos dos petiscos do Comida di Buteco 2015

Todo mundo concorda que o Comida di Buteco é uma verdadeira atração nas cidades onde acontece e faz os botecos participantes tornarem-se atração também. Então pulemos para o próximo tópico. Tem outro ponto que tem chamado muito a atenção de quem passa pelo Comida di Buteco. Sim, acertou quem pensou logo de primeira nos nomes dos tira-gostos.

Quem não frequentou deve estar se perguntando o motivo.  Responda você mesmo. Já se imaginou entrando num boteco e pedindo um “Óvni de Torresmo com Gosma de ET?” Sim, esse foi um dos petiscos participantes, elaborado do auge da criatividade pelo Trem Caipira, um boteco participante de Ribeirão Preto!

Foto @lucasditadi

11205942_1462323850726087_1611605276_n

 

Bom, esse foi só pra abrir, porque nome criativo e que chamou a atenção de qualquer um que batesse o olho no cardápio foi o que não faltou. Sendo assim, fizemos uma pequena seleção aqui dos petiscos com nomes mais curiosos que apareceram na edição de 2015.

Deu Cupim na Farofa de Cuscuz Metida a Besta! Sim, o nome do petisco que basicamente é um Cupim assado com farofa de cuscuz de milho e lascas de pêssego por cima. Essa criação incrível saiu lá do Cachambeer, no Rio de Janeiro.

Foto @marianalenzi13

11242292_1644486752432898_862592600_n

E esse aqui: Costela de Adão no Paraíso de Eva. Paraíso de Eva imaginamos que seja uma referência ao acompanhamento da costela, já que se trata de um incrível molho barbecue com batatas. Criação do Bar das Meninas, em Salvador.

Sem título

Já em Poços de Caldas, o pessoal que frequentou o boteco Senzala Mineira andou comendo o Chulé do Lampião. Isso, esse prato abaixo mesmo, esses rissoles recheados com carne de porco e banana e levemente apimentados!

928312_602899083179760_791270083_n

Esse foi um dos vencedores lá do Vale do Aço. Será que a criatividade no nome ajudou? O já famoso petisco Galinha que Acompanha Pato Morre Afogada, criação do boteco Galpão!

Galpa¦âo

Bom, a lista seria imensa se a gente continuasse aqui falando. Sendo assim, convidamos a da um pulinho na lista de sua cidade pra ver os nomes dos petiscos que apareceram por lá. E, se der sorte, ainda consegue passar no boteco e experimentar – a maioria continua no cardápio!

 

Topam uma volta ao mundo em busca dos melhores butecos?

Buteco é tradição e o Comida di Buteco é pioneiro em resgatá-la, assim como toda a sua essência. Pensando nisso, agora temos um aliado que também é referência em buteco: o jornalista Juarez Becoza, colunista de bares do Jornal O Globo e jurado do Comida di Buteco no Rio de Janeiro, desde o começo!

Bom, Becoza é referência nacional quando o assunto é boteco e a meta agora é virar referência mundial: ele acaba de partir numa viagem ao redor do mundo, literalmente, buscando os melhores botequins do planeta. É o que chamamos de uma pesquisa etílico-gastronômica-antropológica da boemia mundial, onde ele irá explorar os butecos de 40 países e mais de 100 cidades de todos os continentes. É “A Volta ao Mundo em 80 Bares”!

10402582_647289698737742_4857395262019871813_n

Como não poderíamos jamais ficar fora dessa aventura, vamos seguir os passos do Juarez pelos butecos do mundo, numa parceria digna de mesa de buteco: ele produzirá conteúdos exclusivos para nós, onde documentará os butecos mais incríveis que encontrar nessa viagem!

Bora embarcar nessa Volta ao Mundo em 80 Bares com o Juarez Becoza? Então continuem atentos às nossas redes sociais, as novidades surgirão a cada passo que ele der!

10984119_647292642070781_8479939953156033778_n

 

O copo americano de boteco em boteco

Ele já foi considerado símbolo máximo do design brasileiro. Alguns também o consideram símbolo da cultura gastronômica brasileira. Já nós, temos que concordar com ambos!

O design e a gastronomia estão intimamente ligados por esse objeto que atravessou décadas e continua muito em alta e cada vez mais associado à cultura botequeira de modo geral: sim, o copo americano. E, de preferência, cheio!

Afinal, quem é que não aprendeu a tomar cerveja em um copo americano, ou quem é que não pega num desses pelo menos uma vez por semana? Que happy hour não foi acompanhado de vários desses na mesa? E que petisco delicioso não dividiu a mesa do boteco com esse copo?

A verdade é que ele está tão enraizado na cultura da gastronomia brasileira que nós, do Comida di Buteco, um concurso de cozinha de raiz que acontece em pleno boteco,  não teríamos como não notar essa presença em cada canto desse país. Por isso, selecionamos as fotos de alguns de vocês – sim, estamos de olho em cada boteco visitado – onde a presença ilustre do famoso copo fez toda a diferença na fotografia!

Um dos grandes motivos pra ele ir bem naquela reunião no boteco: ele é menor e mantém sua cerveja gelada, no tempo certo!

Olha ele aqui em Goiânia, no Nosso Butiquim! Foto do @silva_juliano

Cdb1

 

Em pleno Rio de Janeiro, no Sobral da Serra. Foto do @zonanorteetc

10593421_1586325141652683_124619442_n

No Boteco do André, em Campinas. Foto da @vancald

11202504_893179370739284_1923039367_n

Em BH, Amigos e Memorias, Bar do Paulino, Foto @touficquemel

11205954_473837716106482_2041427367_n

Manaus, Boteco do Galvez!

11078688_1579776148949714_1614657440_n (1)

E por aí na sua cidade? Ele é querido pelo pessoal? Com quais cervejas ou em quais ocasiões você curte um copo americano?

Boteco é boteco!

Mas e aí: você, que ficou 1 mês cercado por essa atmosfera de boteco, pelo clima boêmio e pela boa conversa jogada fora, sabe identificar um bom boteco?
Nós, especialistas no assunto, podemos dizer que o clima de boteco só entende quem pisa, quem frequenta, quem passa algumas horinhas vivenciando uma boa conversa jogada fora, regada a cerveja e um petisco incrível – que é ainda mais a nossa praia.
Aliás, quem não ama a chamada baixa gastronomia?
Nos botecos, onde ela reina, é onde se come bem e barato – é lá onde saem aquelas porções sensacionais, petiscos maravilhosos, quase impossíveis de se copiar em casa, afinal, vem de receitas seculares de família , onde o segredo é sempre o tempero!
É essa a essência que faz os bares do Brasil serem sinônimos de cultura e muita história, mas os botecos, ah os botecos! Esses são cheios de poesia, tradição e os criadores diretos da baixa gastronomia, que não importa o que a tendência gastronômica do momento peça, essa jamais sai de moda – nem dos nossos corações! E vocês, quais são os botecos “pé sujo” que já faz parte de sua historia? Da historia do seu bairro? Que são o ponto de encontro pro happy hour, reunião de amigos, ou seja lá o que for? Como são os botecos nos outros cantos do Brasil, já pararam pra pensar? Adoramos conhecer esses estabelecimentos, histórias e características tão peculiares…
Alguns seguem os estilos do século passado, quando surgiram, mantendo a imagem de um lugar antigo e com algumas tradições. Outros, atendem ao novo público botequeiro que vem surgindo e prosseguem se modernizando. Por isso, se você bater o Brasil de ponta a ponta, como nós, do Comida di Buteco, fazemos, verá as inúmeras identidades que um boteco pode ter…
Em Salvador, os botecos têm aquela cara de sossego…
Foto da @yaramoreirac
11373500_625684690901994_114561516_n
Em SP, a Boemia predomina! Foto @caeggv
11235854_1611033005780170_1702482166_n
No Rio de Janeiro o povo já nasce botequeiro… Foto @leonardo2907
11253699_1117557431593490_892518341_n

E aí na sua região? Qual é a característica predominante dos botecos?